Fontes alternativas de energia no Brasil, quadro pessimista

Alguns analistas brasileiros consideram que o desenvolvimento das fontes alternativas de energia no Brasil que já apresentava um quadro pessimista vão atrair menos interesse ainda de investidores públicos e privados após a descoberta de imensa quantidade de óleo leve em Tupi, Bacia de Santos anunciada em novembro 2007 e grande quantidade de gás natural, também na Bacia de Santos anunciada em janeiro 2008.

A Petrobras estima que em Tupi há de 4 a 8 bilhões barris equivalente de óleo. A descoberta de gás pode assegurar ao Brasil auto-suficiência na produção de gás natural. Atualmente o Brasil é extremamente dependente de importação de gás da Bolívia.

Após o anúncio da descoberta de Tupi o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva aventou a possibilidade de eventualmente o Brasil ingressar na Organização de Países Produtores e Exportadores de Petróleo (OPEP). O Brasil está orgulhoso com o iminente ingresso entre os maiores produtores de petróleo no mundo, e futuro exportador de petróleo.

Más para o desenvolvimento das fontes alternativas de energia no Brasil as imensas descobertas, de óleo e gás, que são bem vindas, pode significar ainda menos interesse no setor alternativo.

O ano de 2008 começou com um quadro pouco animador para o desenvolvimento das fontes alternativas de energia no Brasil. As duas principais ações do governo federal na área, o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa) e o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB), ainda apresentam em resultados modestos e não cumprem as metas estipuladas inicialmente, o que revela a dificuldade que o País tem em explorar de maneira viável o grande potencial energético disponível em território nacional.

Dos 3,315 mil MW contratados pelo programa governamental, Proinfa, apenas 1,048 mil MW entraram em operação ao final de 2007. Ou seja, dos 144 empreendimentos classificados entre térmicas a biomassa, Pequenas Centrais Hidrelétricas e usinas eólicas, apenas 39 projetos estão disponibilizando energia para o sistema. Isso poderia até não ser problema se o balanço energético do País estivesse tranqüilo. Mas nesse momento de esvaziamento dos reservatórios das hidrelétricas, esses 2,266 mil MW indisponíveis poderiam contribuir junto com as térmicas a gás natural, óleo combustível e nuclear para poupar água das usinas.

Inicialmente, os 144 empreendimentos em energia eólica deveriam entrar em operação ao final de 2006. Mas o prazo não foi cumprido e o Ministério de Minas e Energia estabeleceu nova data para o final de 2008. Pelo levantamento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), esse novo cronograma não deverá também ser cumprido. Dos 2,062 mil MW previstos para entrar em operação este ano, apenas 908,4 MW não possuem nenhum tipo de restrição nas obras. Nesse balanço, destaque negativo para a energia eólica. Isso porque 901,29 MW de energia da fonte possuem restrições à entrada em operação. De acordo com a agência, 33 projetos eólicos não iniciaram as obras, apesar de já possuírem licença de instalação.

O contraditório é que o programa ofereceu uma série de benefícios para atrair a iniciativa privada. Entre os benefícios estão a compra por 20 anos de toda a energia pela Eletrobrás e a garantia de que a estatal elétrica asseguraria ao empreendedor uma receita mínima de 70% da energia contratada durante o período de financiamento. Além disso, a Eletrobrás protegeria integralmente os investidores dos riscos de exposição do mercado de curto prazo. Se não bastasse isso, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) criou uma linha de financiamento para os projetos enquadrados no Proinfa.

Vários são os motivos apontados para o modesto desempenho do Proinfa: a demora da regulamentação do programa pelo governo, o que só ocorreu em 2005; o excesso de burocracia do banco BNDES para o financiamento, que exige uma série de garantias dos empreendedores, encarecendo a operação; o movimento especulativo entre os titulares das concessões de PCH, que ganham o direito de construir as usinas e, em vez de executar o projeto, ficam a espera de um comprador para a outorga; problemas na indústria de equipamentos para usinas eólicas, já que existe apenas um fornecedor instalado no Brasil; e o preço, que foi considerado baixo

A exemplo do Proinfa, o programa para biodiesel também não decolou nesse início de obrigatoriedade da mistura de 2% (B2) ao diesel em 2008, ainda que seja necessário considerar que a indústria do biodiesel é algo recente na história brasileira. Entusiasmado pelo desempenho na produção de etanol, o governo federal enxergou também a oportunidade de repetir o mesmo sucesso no biodiesel, adicionando em sua estratégia de desenvolvimento da cadeia produtiva a participação da agricultura familiar, para gerar renda e emprego no campo.

Click here to enlarge image

Peter Howard Wertheim
peterhw@frionline.com.br

Follow Power Engineering International on Twitter




Editor's Picks

EU flag

Luxembourg government working on Hinkley Point C legal objection

As promised earlier this year, the Luxembourg government intends to file a lawsuit against the European Commission decisio...
David Cameron and Werner Faymann

Nuclear chief says Austrian legal action ‘damaging to efforts to address climate change’

The Austrian government has finally filed its legal challenge against the deal that facilitates subsidies for a nuclear po...
 Schleswig-Holstein Climate Minister Robert Habeck

Federal states applying pressure on Merkel government over subsidies to nuclear

States with green party representation in Germany are calling on the German government to take action against the prospect...
Mike Baston of Euracoal

Future global power generation mix – the coal-fired power perspective

In our inaugural PEi Google Hangout, Mike Bostan, Policy Officer at Euracoal tells Power Engineering International's Diarm...
Faymann

Austrian PM confirms lawsuit against Hinkley decision ready in weeks

Austrian Chancellor Werner Faymann has confirmed that his country will be registering its lawsuit against the European Com...
Latest Articles
Abbott

Fresh blow for wind power in Australia

Another blow has been dealt to the wind power industry in Australia with the news that a Senate committee has advocated new limits to the subsidisation of the technology.

Semirara Mining & Power

1100 MW of new coal-fired power plants planned for Philippines

Semirara Mining & Power is looking to expand its generation portfolio through the building of at least two large coal-fired power plants over the next three to four years.

German onshore wind growth slows

Germany has installed about one-third less onshore wind power capacity so far this year than during the same period in 2014, new analysis shows.


Editorial Guides

Lubrication Challenges for the Biogas Industry in 2015

The biogas industry is growing in importance as the world continues to look for alternative, clean energy sources. However...

Maximising Power Plant Efficiency

The need for power plants to operate at maximum efficiency and flexibility while cutting emissions is greater than ever be...

How to cut your OPEX

How to cut your OPEX In a constantly evolving electricity market, factors such as over capacity and low coal costs can pu...

Buyers Guide Companies

ComRent International LLC

Offers rentals, sales, and services of load banks for testing generators...

Advanced Energy

Advanced Energy is a global leader in innovative power and control techn...

ACOEM AB

ACOEM is a supplier of Fixturlaser's innovative and user-friendly equipm...

Fluid Energy Controls Inc

CCI Thermal Technologies Inc

A leader in the development and manufacturing of industrial heating and ...

Buyers Guide Products

Fixturlaser NXA Pro

This laser alignment system features many ...

Bore Measurement

Typical applications are full bore measure...

Exhaust Systems

Leader in Exhaust Bypass, Simple Cycle, Ex...

RETROFIT

Braden's retrofit strengths are divided in...

Air Filtration

Braden filtration offers a wide range of f...

Power Engineering International

Article Archives for Power Engineering International Magazine